Teste de usabilidade: o que é e para que serve?

Última atualização
25 maio 2024
Tempo de leitura
12 min
Teste de usabilidade

Prevenir falhas de design e ficar alinhado com as necessidades do usuário são alguns dos benefícios dessa técnica de pesquisa que avalia a facilidade de uso de um produto ou serviço.

Os testes de usabilidade são fundamentais durante o processo de desenvolvimento de produtos e serviços, proporcionando insights valiosos sobre a interação dos usuários reais com as interfaces.

Realizar testes de usabilidade não apenas identifica problemas e pontos de melhoria, mas também alinha o produto às necessidades e expectativas do usuário, prevenindo falhas de design e otimizando o desenvolvimento de um produto ou serviço. Se você quer saber mais sobre os testes de usabilidade, continue a leitura.

Definição e objetivos dos testes de usabilidade

Teste de usabilidade: técnica de pesquisa para avaliar a facilidade de uso de um produto ou serviço, observando usuários reais interagindo com ele.

Objetivos: identificar problemas de usabilidade, pontos de melhoria, garantir eficácia, eficiência e satisfação do usuário.

O código ISO 9241-11, da International Organization for Standardization, define usabilidade como a capacidade de um produto ser usado com eficácia, eficiência e satisfação por usuários específicos em um contexto de uso.

Importância dos testes de usabilidade para o desenvolvimento de produtos

Fazer testes de usabilidade é bom para:

Prevenir de falhas de design: testes no início do desenvolvimento evitam retrabalho, reduzem custos e melhoram a recepção do produto final.

Ficar alinhado com as necessidades do usuário: feedback direto do público-alvo aprimora o atendimento aos requisitos e comportamentos esperados.

Ter Insights além das métricas: testes revelam problemas e oportunidades que dados quantitativos não capturam, refinando hipóteses para testes A/B.

Tipos de testes de usabilidade

Testes de usabilidade podem ser classificados como moderados, não moderados e exploratórios, e avaliam a experiência do usuário.

Tipo Descrição
Moderados Conduzidos por um facilitador, presencialmente ou remotamente, para observação direta e questionamento
Não moderados Realizados remotamente pelos usuários, sem supervisão, úteis para feedback rápido e menor custo
Exploratórios, avaliativos, comparativos Para geração de ideias, avaliação de satisfação, comparação com concorrentes

Planejamento de testes de usabilidade

Para fazer testes de usabilidade é preciso ter um planejamento com objetivos claros; convocar participantes representativos; fazer um roteiro estruturado e um teste piloto. Essas são características essenciais para identificar problemas e fazer otimizações de usabilidade.

Na hora de definir os objetivos, você estabelece metas, métricas e escopo do teste, alinhados com a estratégia do produto.

Para o recrutamento de participantes, é preciso selecionar usuários representativos do público-alvo, em número adequado por rodada.

Fazer um roteiro estruturado também é importante para o teste. Nele, você vai elaborar tarefas relevantes e perguntas objetivas para conduzir o teste com neutralidade e, assim, identificar problemas de usabilidade.

Fazer um teste piloto é fundamental para refinar a clareza e a funcionalidade do teste, antes da aplicação completa, minimizando custos.

Características dos testes de usabilidade

Os testes de usabilidade têm:

Tarefas específicas: alinhadas com funcionalidades-chave, o teste simula o uso real do produto ou serviço para descobrir problemas de usabilidade e potenciais otimizações.

Critérios de sucesso: eles devem estar claramente definidos, alcançando objetivos por vários caminhos do usuário, exceto quando o uso de filtros específicos é o foco, permitindo uma avaliação abrangente da usabilidade.

Limites de tempo: de acordo com o pai do user experience (UX), Jakob Nielsen, a duração da atividade deve ser entre 30 segundos e 7 minutos, garantindo que a duração total do teste tenha menos de uma hora para evitar fadiga.

Perguntas detalhadas: durante o teste, faz-se perguntas aprofundadas sem viés, para obter insights abrangentes do usuário.

Neutralidade: manter a imparcialidade nas perguntas da entrevista de usabilidade são importantes para evitar influência não intencional na resposta, garantindo integridade e confiabilidade dos dados no feedback do usuário.

Análise de resultados e aplicação de insights de testes de usabilidade

Depois do teste de usabilidade, é necessário fazer a análise dos resultados para que as implementações no produto ou serviço sejam feitas. Algumas dessas análises são:

Análise qualitativa: revela causas raiz e soluções por trás dos problemas, enriquecendo abordagens corretivas com contexto humano.

Análise quantitativa: utiliza métricas como taxa de sucesso, taxa de erro, tempo da tarefa e satisfação para identificar gravidade e localizar problemas.

Priorização: classifica problemas com base no impacto global e abrangência, para que a equipe resolva as questões mais críticas primeiro.

Análise de tarefas: tempo de execução, desvio padrão, erros, dicas, sucesso, comentários para feedback detalhado, benchmark de usabilidade são exemplos de tópicos a serem analisados pós-teste de usabilidade.

Apresentação dos resultados: é importante compartilhar com a equipe sobre o resultado do teste, porque ele tem impacto direto em decisões de design e produto.

Análise qualitativa: é fundamental conferir a satisfação do usuário e ter o feedback da interface para aprimorar a abrangência do teste.

Após as análises, é importante fazer a aplicação dos insights para:

Aprimorar a experiência: utilizar feedback dos usuários que fizeram o teste para impulsionar mudanças no design, documentando impacto e progresso contínuo.

Difundir a importância da usabilidade: é recomendável disseminar os resultados e falar da importância dos testes para toda a empresa, tornando a pesquisa com usuários parte integral dos processos.

Democratizar as ferramentas: adotar soluções simplificadas de teste e fazer registro para ampliar a acessibilidade e frequência dos testes.

Imagem: Shutterstock

Métricas para avaliar eficácia, eficiência e satisfação em testes de usabilidade

Para fazer os testes, é necessário ter algumas métricas de avaliação, como:

  • Métricas de eficácia em testes de usabilidade

Taxa de Sucesso da Tarefa (TSR): percentual de tarefas concluídas com êxito; fundamental para garantir a assertividade do sistema.

Sucesso Binário: mede tarefas completadas com sucesso e as que não foram completadas com sucesso; esta é uma métrica simples, mas poderosa.

Taxa de Erro (TE): frequência de erros na execução de tarefas; aponta falhas na usabilidade a serem corrigidas.

  • Métricas de eficiência em testes de usabilidade

Tempo na Tarefa: tempo médio para usuários completarem tarefas; crucial para otimizar rapidez da interação.

Eficiência: comparação entre o sucesso da atividade e o tempo total que o usuário levou para completar a tarefa; comparação, também, entre a taxa de atividades e o tempo; essa métrica amplia a análise de eficiência.

Curva de Aprendizado: evolução do desempenho ao longo do tempo; indica facilidade de aprendizado do sistema.

  • Métricas de satisfação em testes de usabilidade

Escala de Usabilidade do Sistema (SUS): 10 perguntas, respostas imediatas pós-teste.

Pesquisa de Satisfação do Cliente (CSAT): mede quantitativamente satisfação com aspectos do sistema e da interface.

Feedback qualitativo: comentários abertos, recebidos dos usuários, para destacar motivos de satisfação e insatisfação.

  • Métricas combinadas e coleta de dados em testes de usabilidade

Índice de Desempenho da Usabilidade: integra eficácia (TSR, TE) e eficiência na performance da interface.

Eficiência Relativa do Usuário: compara desempenho de usuários novatos e experientes; avalia curva de aprendizado.

Ferramentas de análise: Google Analytics para dados demográficos e comportamentais; Hotjar para gravações de interação.

Questionários padronizados: validados psicometricamente; dados pós-teste objetivos, replicáveis e quantificáveis.

Processo para classificar e priorizar problemas de usabilidade

Após fazer a análise dos resultados, classifique problemas de usabilidade por severidade, frequência e impacto, priorizando os críticos que impedem o uso e, depois, os maiores que atrapalham as tarefas. Comunique à equipe de forma concisa, destacando problemas específicos e soluções recomendadas.

  • Para identificar problemas de usabilidade:

Realize avaliação heurística: identifique problemas de usabilidade usando 10 princípios de Nielsen. Esta é uma análise rápida e econômica da interface.

Conduza testes de usabilidade: descubra problemas observando usuários realizando tarefas e coletando feedback qualitativo.

Analise métricas de UX: para avaliar experiência e usabilidade, fique atento às seguintes métricas: System Usability Scale (SUS), Customer Effort Score (CES), Net Promoter Score (NPS), Customer Satisfaction Score (CSAT), Churn Rate e Time to Resolution (TTR).

  • Para classificar problemas por severidade

Priorize resolução com base nas anotações após avaliação heurística:

Severidade Descrição
Crítico Sistema indisponível, integridade dos dados em risco, sem solução alternativa, correção obrigatória
Maior Atrapalha tarefas do usuário, desempenho abaixo do especificado, propenso a erros, necessita de métodos alternativos
Menor Baixa prioridade, pouco impacto na usabilidade

Considere frequência e impacto: além da severidade, classifique os problemas com base na frequência de ocorrência e impacto no usuário.

  • Para resolver os problemas de usabilidade:

Crie matriz de priorização: combine Figma e Confluence para uma ação eficaz e para agilizar feedback e melhorias no produto ou no serviço que está sendo testado.

Foque nos problemas críticos: aborde primeiro questões de alta severidade que impedem o uso do produto ou do serviço, como indisponibilidade do sistema.

Priorize problemas maiores: em seguida, corrija problemas que atrapalham tarefas, causam erros ou exigem soluções alternativas.

Resolva problemas menores: planeje a resolução de problemas de baixo impacto, conforme os recursos permitirem.

  • Para comunicar e acompanhar problemas de usabilidade:

Crie um relatório conciso: destaque problemas específicos, evidências e soluções recomendadas para ação eficaz.

Use documentação dinâmica: utilize Figma e Confluence para atender stakeholders diversos. Essas ferramentas facilitam o alinhamento e a compreensão.

Faça análise pós-implementação: valide correções com feedback do usuário e estatísticas de sucesso.

Integração de insights de testes de usabilidade em metodologias ágeis

A integração de metodologias ágeis e design centrado no usuário, ou User-Centered Design (UCD), melhora a usabilidade e a satisfação do usuário. Práticas como user stories e personas adaptadas ao ágil garantem um desenvolvimento focado no usuário.

  • Sinergia entre Agile e UCD

Integração Agile-UCD: ambas metodologias iterativas, focadas no usuário, aprimoram a qualidade do produto, enfatizando loops de feedback.

Alinhamento Agile-UCD: antecipa a coleta de requisitos do usuário, permitindo a iteração de práticas de UCD dentro de frameworks ágeis.

Base comum Agile-UCD: foco no usuário e no negócio apoia o desenvolvimento holístico de software, aprimorando a satisfação do usuário e o valor do negócio.

  • Testes de usabilidade no desenvolvimento ágil

Feedback do usuário no Agile: processo iterativo melhora a usabilidade do design, a eficiência das tarefas, promovendo experiências positivas do usuário.

Duração do sprint: equilíbrio necessário na integração UCD-Agile entre necessidades de pesquisa e desenvolvimento acelerado do Agile, crítico para o sucesso do projeto.

Integração de usabilidade ágil: adapta feedback rápido e design centrado no usuário ao código aberto, combatendo longos ciclos de desenvolvimento.

  • Práticas ágeis para usabilidade

User stories: no desenvolvimento ágil, servem como ferramentas de design centradas no usuário, fundamentais para software intuitivo.

Extreme Personas no Extreme Programming (XP): inova a análise de usuários no Human-Computer Interaction (HCI) ágil ao adaptar a técnica de personas, enriquecendo o design de interação de software.

Trilhas paralelas UCD-Agile: coleta antecipada de requisitos do usuário, integrando benefícios incrementais do Agile, garantindo desenvolvimento centrado no usuário.

  • Estratégias organizacionais para integração Agile-UCD

Suporte à abordagem UCD: promove a tomada de decisões baseada em evidências, mudando a cultura organizacional para a satisfação do usuário.

Entendimento Agile-UCD: essencial para o aprimoramento mútuo das metodologias, qualidade do produto digital, requer comunicação clara, frameworks de colaboração interdisciplinar.

Papel dos profissionais de UX: fundamental na ponte entre ágil e UCD, facilitando a integração interdisciplinar e garantindo o design centrado no usuário em meio a desafios.

Aprenda UX design!

Testes de usabilidade são fundamentais para garantir produtos digitais eficazes, eficientes e satisfatórios, alinhados às necessidades reais dos usuários. A integração de insights de testes de usabilidade em metodologias ágeis de desenvolvimento aprimora a qualidade do produto e a satisfação do usuário.

Quer aprender mais sobre design e experiência do usuário? Então, convidamos você para conhecer o curso de UX Design da EBAC! Nele, você aprende a projetar interfaces, solucionar problemas de usuários e criar designs incríveis e eficientes para navegação. Clique aqui e inscreva-se já!

E se você quer mais conteúdo gratuito sobre esse universo, confira nossos eventos online da área de design! Acesse a nossa agenda e participe!

Mergulhe na profissão mais promissora da atualidade. Aprenda a projetar interfaces, solucionar os problemas de usuários e crie designs incríveis e eficientes para a navegação. Torne-se um UX Designer que entende as necessidades do seu público e traz soluções inovadoras para diferentes negócios.

Página inicial / Design
Equipe EBAC

O conteúdo

UX Design

Mergulhe na profissão mais promissora da atualidade. Aprenda a projetar interfaces, solucionar os problemas de usuários e crie designs incríveis e eficientes para a navegação. Torne-se um UX Designer que entende as necessidades do seu público e traz soluções inovadoras para diferentes negócios.

5 meses
12x de
R$ 172,17
(parcelas sem juros no cartão de crédito)
Investimento pelo curso completo
R$ 2.066
R$ 5.165
Inscreva-se no curso
Compartilhe sua opinião
Notificar sobre comentários

Ou como convidado

Cadastre-se Cadastre-se Cadastre-se Cadastre-se Cadastre-se

Artigos Relacionados

18 maio 2024
8 min
Qual é a relação entre usabilidade e UX

Entenda por que a usabilidade é um fator importante para o sucesso de um negócio

18 maio 2024
8 min
25 jan 2024
6 min
O que faz um full stack designer e como se tornar um?

Requisitado pelas empresas, esse profissional domina diferentes áreas do design

25 jan 2024
6 min
09 jan 2024
11 min
O que é identidade visual?

Entenda qual a importância e os benefícios de uma identidade visual para uma empresa e como desenvolver uma.

09 jan 2024
11 min
23 dez 2023
6 min
O que é e no que consiste o design editorial?

Seus textos vão se tornar mais interessantes e fáceis de ler, se você pensar em cada elemento visual da apresentação dele.

23 dez 2023
6 min
17 dez 2023
8 min
O que faz um ilustrador e como se tornar um

Um ilustrador capta a essência visual de um texto e ajuda o leitor a processar a informação

17 dez 2023
8 min
11 dez 2023
5 min
Estudantes da EBAC participam de workshop no escritório da Adobe

Com foco na Adobe MAX 2023, os estudantes da EBAC ficaram por dentro das atualizações que estão sendo implementadas nas ferramentas da Adobe

11 dez 2023
5 min