Design

UX Researcher: o que faz, habilidades necessárias, salário e como se tornar um

Conheça essa profissão, que é relativamente nova e está em alta no mercado. Ela tem como foco pesquisa e análise do que um usuário quer ao usar sites, aplicativos e redes sociais

31 de maio, 2022

Pense em um site ou em um aplicativo de banco. Os clientes esperam que suas experiências virtuais por esses canais sejam fáceis, intuitivas e confiáveis. Não encontrar as informações que estão sendo procuradas ou contar apenas com o atendimento de um robô em uma situação de emergência (como fraude), por exemplo, seria no mínimo preocupante.

Evitar que a expectativa de um usuário não seja atendida é a missão do User Experience Researcher (Pesquisador de Experiência do Usuário), ou UX Researcher.

Quem é o UX Researcher

Um dos primeiros passos para criar um novo produto ou melhorar algo já existente é pensar nos usuários. Quem são eles? De onde são? O que querem? Por que querem? Como o produto digital irá ajudá-los a conseguir o que querem?

O UX Researcher é o profissional que responde essas perguntas com respostas embasadas em dados.

Esse profissional coleta dados e analisa informações sobre o que os clientes precisam e preferem e como reagem às soluções propostas pelos negócios e serviços. O resultado de toda essa pesquisa ajuda no processo de desenvolvimento de um produto digital, que pode ser um site, aplicativo, rede social, loja de e-commerce, etc.

O que faz o UX Researcher

Esse profissional colabora com as equipes de desenvolvimento, design e marketing para avaliar as necessidades atuais e futuras dos usuários. Um dia de trabalho como UX Researcher varia de acordo com o projeto ou com a empresa para a qual está trabalhando. As tarefas mais comuns são:

Estratégia

No dia a dia, o UX Researcher tem que trabalhar estrategicamente alinhado com a equipe e também saber qual será a sua estratégia de pesquisa. Esse passo é importante para que os objetivos gerais e individuais sejam claros. Para conseguir isso, o profissional precisa:

  • Trabalhar em estreita colaboração com a equipe de produto para identificar os objetivos da pesquisa.
  • Estabelecer e implementar uma estratégia geral de pesquisa.

Planejamento de pesquisa e recrutamento

Antes de colocar a mão na massa para entender o que os usuários esperam de um aplicativo ou site, por exemplo, é preciso que o UX Researcher faça um planejamento que vai guiá-lo para que consiga o seu objetivo. Para isso, ele vai:

  • Desenvolver um plano de pesquisa bem elaborado com objetivos claros. Se o objetivo é saber se a ativação de um cupom de desconto dentro de um aplicativo é intuitivo, o UX Researcher vai elaborar um plano para conseguir a sua resposta. Ele vai responder, por exemplo: quantos usuários vão fazer o teste? O teste vai ser feito de forma presencial ou remota? O que vai ser observado no teste? Com as respostas, ele terá um guia de como o seu trabalho vai fluir.
  • Escrever telas de pesquisa de usabilidade e guias de discussão. Nesta etapa, o UX Researcher pode replicar uma tela de um aplicativo ainda não finalizado em programas como o InVision para fazer o teste de usabilidade com os usuários. Ele também vai preparar um guia de discussão que o ajudará durante as entrevistas com os usuários. Ou seja, vai definir como ele vai se apresentar, como vai falar do projeto e explicar o que espera do usuário.
  • Recrutar usuários finais direcionados para estudos de pesquisa específicos.

A pesquisa de usabilidade é uma técnica para avaliar um produto ou serviço. A pesquisa é feita diretamente com o usuário final. Imagem: userfeel

Coleta de dados

O UX Researcher precisa colher informações para descobrir e entender do que o usuário necessita e quais as suas expectativas em um site ou aplicativo. Para obter esses dados, ele pode:

  • Mediar sessões individuais de usabilidade básicas com usuários.
  • Ajudar a desenvolver e implementar pesquisas quantitativas.
  • Realizar entrevistas com stakeholders e clientes.

Análise de dados

Depois de coletar os dados, o profissional precisa analisar as informações que foram dadas pelos usuários e tirar as suas conclusões. Nessa análise, o UX Researcher vai:

  • Extrair insights sobre comportamentos do usuário.
  • Tornar os aprendizados sobre o usuário em recomendações para a equipe de produto.

Apresentação de insights

Após analisar os dados que foram coletados dos usuários, o UX Researcher precisa informar aos demais profissionais da equipe as suas conclusões para que as melhorias no produto que está sendo desenvolvido sejam implementadas. Para isso, ele vai:

  • Criar personas e mapas de jornada do usuário para comunicar às equipes de design e desenvolvimento.
  • Apresentar os resultados da pesquisa para a equipe de forma clara e organizada.

Habilidades e qualificações necessárias para um UX Researcher

Profissionais da área de UX Research precisam desenvolver habilidades específicas e dominar ferramentas que os ajudarão a obter informações sobre os usuários dos projetos em que estão inseridos.

Algumas dessas habilidades e ferramentas são:

Design Thinking

O Design Thinking é o “pensamento do design”. É uma abordagem que tem como objetivo resolver problemas complexos de maneira criativa e inovadora. As soluções encontradas através do Design Thinking devem ser funcionais, eficientes e ter como foco as pessoas e as suas necessidades.

Por conta desse foco, é interessante que o UX Researcher saiba usar o Design Thinking em suas atividades. Utilizar essa abordagem é uma forma do profissional se colocar no lugar dos usuários e, assim, prever, definir e resolver os problemas que os usuários podem enfrentar.

Se a ideia é desenvolver um aplicativo de troca de mensagens, por exemplo, a equipe pode iniciar o processo utilizando o Design Thinking e se perguntar:

  • Quais são os desejos e necessidades dos nossos usuários?
  • Quais problemas eles encontram no dia a dia?
  • Como podemos oferecer soluções de forma acessível e intuitiva?

Depois de definir o problema a ser resolvido, a equipe de UX faz um brainstorming (levantamento de ideias) de possíveis soluções, cria protótipos e pede a um grupo de usuários que teste a plataforma.

Deste ponto em diante, o ciclo pode recomeçar para que problemas menores possam ser resolvidos e, depois, o aplicativo seja desenvolvido.

Criação de persona

Uma persona é a representação fictícia do cliente ideal de um produto. Ao se criá-la, são definidas algumas características como formação técnica, habilidades, pontos fortes e fracos. No geral, ela reflete as necessidades e desejos de um grupo de usuários.

Saber criar personas é importante porque assim os pesquisadores vão além da imaginação. Se a ideia é desenvolver um aplicativo bancário focado em pessoas idosas, por exemplo, o profissional pode criar uma persona do seu cliente e definir o seu conhecimento financeiro e tecnológico.

Nesse caso, a persona pode ser um homem, com 65 anos e pertencente à classe B. Através do aplicativo, ele costuma fazer consultas e pagamentos de contas, apesar de ter medo de fraudes no meio digital. A ida ao banco físico diminuiu, mas ainda acontece por se sentir mais seguro.

A partir dessa definição, é possível perceber o que o usuário pode ou não gostar no aplicativo e, assim, o UX Researcher entende qual seria a experiência real de um cliente ao utilizar o produto que está sendo desenvolvido.

Ter essa visão é importante para que os desenvolvedores tenham ideias sobre o que funciona ou não no produto que está sendo criado.

Mapeamento de UX

Mapear a jornada do usuário quando ele entra em um site ou aplicativo é fundamental para aperfeiçoar o produto que está sendo desenvolvido. Por isso, é importante o UX Researcher saber fazer este trabalho.

Neste processo de mapeamento, o UX Researcher procura compreender qual o comportamento que o usuário tem ao acessar um aplicativo. Isto é: quais passos ele faz ao acessá-lo, como e quando ele faz. A partir dessas informações, o profissional consegue criar uma linha do tempo da jornada do usuário. Abaixo, um vídeo que demonstra como esse processo acontece.

Esse mapeamento permite que se tenha uma ampla visão das decisões que um usuário toma ao entrar no aplicativo. Isto ajuda os profissionais a identificar os pontos positivos e negativos desta jornada.

Se um usuário entra em um aplicativo de compra de comida e não encontra os restaurantes disponíveis perto da casa dele, é muito provável que ele desista de usar o aplicativo, já que as suas expectativas não foram alcançadas. Essas seriam características negativas do produto. Ao identificá-las através do mapeamento, o UX Researcher ajuda os demais profissionais, designers ou desenvolvedores, a ir atrás de soluções para essas questões e, assim, melhorar a experiência do usuário.

Teste de usuário

Para um UX Researcher é importante saber como realizar testes de usabilidade. Investir nesse processo ajuda a evitar erros e a adaptar o produto final às preferências do usuário. A ideia deste processo é colocar os usuários, de fato, para usarem o produto que está sendo desenvolvido.

Através de testes, é possível definir se a equipe que está fazendo o site ou aplicativo está no caminho certo ou errado. Eles avaliam se os usuários conseguem navegar facilmente no que está sendo desenvolvido, além de sinalizar erros que os usuários podem encontrar.

Quando os testes são feitos desde o início do processo de desenvolvimento do produto, é muito provável que, ao ser finalizado, ele seja bem sucedido e intuitivo para o usuário.

InVision

O InVision é uma das ferramentas de design de produtos digitais mais populares da atualidade. Nele, é possível criar, em pouco tempo, protótipos funcionais para testes de UX. Para o UX Researcher é importante não só conhecer a ferramenta, mas saber usá-la.

Através do InVison é possível fazer testes interativos de usabilidade de um site, mesmo sem ele estar finalizado, por exemplo. Dessa forma, a ferramenta permite que o profissional tenha acesso a alguns recursos, como feedbacks instantâneos, que são importantes para uma análise geral de UX, além de poder visualizar e avaliar o produto.

Soft Skills

Ter soft skills, ou habilidades interpessoais, é importante para a carreira de UX Researcher. Ser capaz de se comunicar, ouvir e aprender dos usuários são habilidades fundamentais para o profissional.

Elas são importantes porque é responsabilidade do UX Researcher se colocar no lugar do outro e analisar o seu comportamento. E ele faz isso através de entrevistas, por exemplo. O seu objetivo é entender as atitudes, expectativas e necessidades dos usuários diante de um novo aplicativo ou site. Afinal, o que está sendo desenvolvido é um produto para outras pessoas.

Por isso, para fazer essa análise de comportamento do usuário, o profissional precisa enxergar além das suas próprias opiniões e identificar o que importa para o seu usuário.

Além disso, o UX Researcher trabalha com outros profissionais, como designers e desenvolvedores. Por isso, ele precisa saber se comunicar bem para passar os resultados obtidos para os demais profissionais e, assim, aprimorar o produto que está em desenvolvimento.

A carreira de UX Researcher

A área de UX vem crescendo bastante ao longo dos anos no país. Para o UX Researcher, a demanda também tem aumentado. Grandes empresas como Nubank, Santander e OLX contam com profissionais de pesquisa de experiência do usuário.

A seguir, algumas informações sobre salário e perspectiva de carreira.

Salário

De acordo com o Glassdoor, o salário médio de um UX Researcher no Brasil é de R$6.363 por mês, podendo chegar até R$10 mil. Hoje, no LinkedIn, existem mil vagas na área de UX Research abertas.

Perspectivas de carreira

Os UX Researchers, normalmente, começam a atuar na área como UX júnior. É possível que a promoção para o cargo de pesquisador de UX seja feita em menos de dois anos.

À medida que vai adquirindo experiência, o profissional pode alcançar um cargo sênior de UX, pesquisador líder de UX, chefe de experiência de usuário ou pesquisador de negócios UX em empresas de grande porte.

Nessas funções, o UX Researcher vai assumir a liderança de projetos e trabalhar em projetos maiores e mais complexos. Além disso, o profissional poderá ser o responsável por gerenciar profissionais júniors de UX.

Em empresas de pequeno e médio porte, o profissional pode ser o único especialista em UX. Nesse caso, à medida que seus conhecimentos e habilidades crescem, o número de responsabilidades e remuneração também devem aumentar.

Como se tornar um UX Researcher

A profissão de UX Researcher é bem recente. É comum encontrar pessoas vindas de outras áreas como Administração, Dados ou Ciências Sociais, assim como profissionais autodidatas.

Não há uma única maneira de se tornar um UX Researcher, mas há algumas dicas para entrar na área.

Tenha graduação em cursos de tecnologia ou ciências sociais

A maior parte das vagas para UX Researcher pede que os candidatos possuam uma graduação, que não precisa ser na área de UX. Ter um diploma em um curso superior relacionado à tecnologia ou ciências sociais pode ser benéfico. Algumas graduações que podem ser feitas são:

  • Psicologia
  • Estatística
  • Ciência da Computação
  • Sistemas de Informação
  • Design
  • Antropologia
  • Ciências Sociais

Desenvolva habilidades de UX Researcher

Além de um diploma, há outras maneiras de adquirir habilidades e aprender a mexer nas ferramentas para ser um UX Researcher.

Uma delas é fazer cursos específicos voltados para a área de UX Research como o da EBAC. Nele, o aluno aprende a dominar métodos que revelam necessidades e comportamentos do usuário e a criar soluções que impactam positivamente os negócios.

Outra maneira de desenvolver habilidades, ficar por dentro das novidades e se familiarizar com o vocabulário da área é aproveitar recursos gratuitos como podcasts e livros, além de seguir profissionais que trabalham com UX Research.

Ganhe experiência na área de UX Research

Para quem está começando a se profissionalizar e deseja entrar no mercado de trabalho, a dica é procurar por estágios.

É comum empresas, de pequeno a grande porte, oferecerem vagas de estágio para profissionais que estão iniciando a carreira profissional. Essas vagas podem ser encontradas no LinkedIn, nos próprios sites das empresas ou em sites voltados para a área de UX.

Após iniciar o estágio, a pessoa vai começar a se inserir no mercado de trabalho e a ter contato com outros profissionais da área. A partir daí, vai enriquecer os seus conhecimentos teóricos e práticos.

Construa o seu portfólio

O portfólio é o documento onde o profissional coloca os seus projetos que desenvolveu na área. É através do portfólio que é possível mostrar, na prática, as habilidades e experiências para potenciais empregadores. Aqui você pode conferir formatos e exemplos de portfólios de UX Research.

Nele, o profissional pode colocar os projetos desenvolvidos por conta própria, em estágios ou cursos. No da EBAC, por exemplo, há um projeto que o aluno faz, com o objetivo de consolidar o conhecimento, e pode usá-lo em seu portfólio.

É importante colocar no portfólio: o desafio que a pesquisa pretendia resolver; qual foi o processo da pesquisa; quais ferramentas utilizadas para recrutar, coletar e analisar dados e insights; e o resultado do projeto.

O portfólio pode ser colocado no LinkedIn ou no GitHub. Outra opção é colocá-lo em um site profissional, caso a pessoa tenha um.

Conheça outros profissionais da área

Ter uma rede de contatos de profissionais que trabalham com UX Research é importante para trocar experiências, entender a rotina e os desafios dessas pessoas e saber das novidades da área. Essa é uma excelente oportunidade de ficar por dentro de oportunidades de trabalho.

Colegas de trabalho, professores, alunos de cursos, grupos on-line formados por UX Researchers são algumas formas de começar a rede de contatos.

Comunidades de UX Research no LinkedIn

Torne-se um UX Researcher!

Se você está interessado em iniciar uma carreira na área de UX Research, conheça o curso da EBAC. Aprenda a conduzir entrevistas aprofundadas, saiba selecionar a combinação ideal de métodos de pesquisa para atender objetivo de negócio, formule hipóteses e insights com base analíticos e muito mais!

Ao fazer o curso, você também tem acesso ao nosso Centro de Carreiras que o ajudará na preparação para processos seletivos.