Negócios

Elon Musk e a compra do Twitter: o que isso pode significar?

Saiba quais mudanças o homem mais rico do mundo quer fazer na rede social

10 de maio, 2022

O empresário sul-africano Elon Musk é, atualmente, o homem mais rico do mundo. Conhecido por se aventurar em empreitadas que envolvem muita tecnologia e inovação, Musk agora entra em um novo desafio. No final de abril, ele comprou o Twitter.

Musk adquiriu a rede social por cerca de US$ 44 bilhões. Ao contrário do que se possa imaginar, o empresário declarou que não está visando o lucro financeiro. Com essa compra, de acordo com ele, o objetivo é valorizar a democracia e a liberdade de expressão.

Musk ainda não é, oficialmente, o dono do Twitter. O negócio precisa da aprovação formal dos acionistas da empresa e dos órgãos regulatórios, o que deve ser feito até o fim deste ano. Apesar disso, a compra bilionária chamou a atenção de todo o mundo.

Neste texto, vamos explicar quais mudanças Musk pode levar para a rede social.

Elon Musk

Elon Musk como usuário do Twitter

Musk é usuário antigo e assíduo do Twitter. Com a conta ativa desde junho de 2009, hoje ele tem mais de 90 milhões de seguidores na rede social.

Musk usa o Twitter como ferramenta para se promover e também gerar discussões. Em seu perfil, ele compartilha notícias de suas empresas e as suas opiniões sobre diversos assuntos, como política e criptomoedas. Musk também escreve declarações sobre cultura pop, eventos atuais e faz piadas.

Muitas das polêmicas em que ele já se envolveu começaram no Twitter. Ele já escreveu desde mensagens que minimizaram e desinformaram quando o assunto foi a pandemia provocada pelo Coronavírus; já enviou mensagens que provocaram o fundador da Amazon, Jeff Bezos; e até já violou as leis do mercado financeiro ao declarar que estava considerando privatizar a Tesla - o que nunca foi cumprido.

Em sua conta, Musk já viveu momentos de amor e ódio com a rede social. Em uma de suas últimas críticas antes de comprar o Twitter, ele deixou a entender que criaria uma nova rede social.

Por que Elon Musk comprou o Twitter

Valorizar a democracia e a liberdade de expressão. Essas são as intenções que Musk vem divulgando para justificar a compra do Twitter.

Em um dos primeiros tweets sobre a nova aquisição, ele escreveu: “o discurso livre é o alicerce de uma democracia funcional, e o Twitter é a praça digital onde problemas vitais para o futuro são discutidos.”

Hoje, o Twitter tem regras e políticas que procuram combater notícias falsas e discursos de ódio. Musk já havia se posicionado contra algumas políticas do Twitter em relação à moderação de conteúdo.

Antes da compra, Musk fez uma enquete em seu perfil em que perguntava para os seus seguidores: “a liberdade de expressão é essencial para uma democracia funcionar. Você acredita que o Twitter adere rigorosamente a este princípio?” Depois, complementou: “As consequências desta pesquisa serão importantes. Por favor, vote com atenção.”

Após mais de dois milhões de votos, 70% da audiência de Musk votou não e 30% votou sim.

Após a compra, Musk escreveu: “eu espero que até meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que significa liberdade de expressão.”

Apesar de dizer que defende a liberdade de expressão, Musk é conhecido por silenciar críticos e até demitir funcionários que não concordam com ele.

Além disso, há quem diga que esse discurso de defender a liberdade de expressão e tornar a moderação mais branda tenha outros significados. Ele pode servir, na verdade, como aval para que notícias falsas e discursos de ódio - mensagens a favor da violência, racistas e homofóbicas, por exemplo - sejam publicados de forma livre.

Quais os planos de Musk para a rede social

“O Twitter tem um tremendo potencial - estou ansioso para trabalhar com a empresa”, foi o que disse Musk.

Apesar das intenções de Musk ainda não estarem claras, ele já deixou algumas pistas do que pretende implementar na rede social: moderação de conteúdo menos rígida; transparência do algoritmo; remoção de perfis falsos e bots; botão para editar tweets; Twitter pago para corporações e governos; direct messages com criptografia de ponta-a-ponta; monetização de tweets que se popularizam; e pagamento para influenciadores produzirem conteúdo para a plataforma.

  • Moderação de conteúdo menos rígida

Como já falamos anteriormente, de acordo com Musk, a sua motivação para ter comprado o Twitter seria a de valorizar a democracia e a liberdade de expressão. Para isso, ele pode deixar a moderação do conteúdo publicado pelos usuários menos rígida.

Hoje, quem descumpre as regras do que pode ser publicado no Twitter pode ter a mensagem apagada ou até o perfil bloqueado.

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, foi um dos que teve o perfil banido da rede social em 2021. Na época, o Twitter declarou que Trump havia incitado a violência entre os seus apoiadores através de um tweet e que essa atitude violava as políticas da rede social.

Para Musk, as atuais regras do Twitter vão contra o que ele considera liberdade de expressão. Ele já chegou a escrever em seu perfil que “para que o Twitter mereça a confiança do público, ele deve ser politicamente neutro, o que efetivamente significa perturbar a extrema direita e a extrema esquerda igualmente.”

  • Transparência no algoritmo

Em um de seus tweets, Musk falou: "... quero tornar o Twitter melhor do que nunca, aprimorando o produto com novos recursos, tornando os algoritmos de código aberto para aumentar a confiança…”

Por definição, algoritmo é uma sequência de instruções bem definidas. É ele que vai determinar como um programa de computador, por exemplo, vai funcionar. Quando esse algoritmo é de código aberto, qualquer pessoa pode não só visualizá-lo, mas também fazer o seu download e usá-lo como desejar.

Para Musk, tornar o algoritmo do Twitter aberto significa ser transparente com as pessoas. O ideal, para ele, é que todos os usuários da rede social possam entender como é feita a seleção das mensagens e dos conteúdos que aparecem na tela.

Segundo Musk, o usuário tem que entender se um tweet foi rebaixado ou promovido no site e o porquê, para que não exista manipulação. Além disso, ele defende que, ao ter o código aberto, as pessoas podem sugerir alterações e melhorias na plataforma.

Essa questão também já foi tema de enquete em seu perfil. Ele perguntou aos seus seguidores: “o algoritmo do Twitter deveria ser de código aberto?”. Após mais de um milhão de votos, 83% da sua audiência disse que sim e 17% disse que não.

Apesar da ideia, ainda não se sabe como isso aconteceria. De forma geral, os algoritmos são ferramentas importantes para os negócios das redes sociais, considerados quase secretos. Além disso, ao deixar o código aberto, seria possível ver as vulnerabilidades da plataforma, as quais poderiam ser exploradas de forma negativa pelas pessoas.

  • Remoção de perfis falsos e de bots

Não é preciso provar a identidade para ter um perfil no Twitter. Na plataforma, hoje, existem perfis que fazem sátiras de outras pessoas ou que criam um personagem.

Além disso, há uma série de perfis que não são controlados diretamente por um ser humano, são os chamados bots (robôs, em português). Os perfis dos bots, assim como qualquer outro perfil do Twitter, podem publicar mensagens e seguir pessoas, por exemplo.

Algumas vezes, a intenção desse tipo de perfil é enganar outros usuários. Ele também é usado como arma política para influenciar o debate político em vários países, inclusive no Brasil.

Uma das ações que Musk disse que quer fazer é garantir a derrota dos bots e a autenticação de todos os seres humanos presentes na plataforma.

  • Botão para editar tweets

O botão que serviria para editar mensagens publicadas é desejo antigo de alguns usuários do Twitter, inclusive do próprio Musk.

Essa função permitiria, por exemplo, a correção de erros ortográficos logo após a sua postagem. Porém, essa ferramenta também poderia permitir a alteração do conteúdo do tweet, o que mudaria o registro de uma conversa pública e, assim, geraria desinformação na rede.

Essa questão foi tema de enquete publicada por Musk em seu perfil no começo de abril. Nela, o homem mais rico do mundo perguntou: “você quer um botão de edição?”. Com mais de 4 milhões de votos, 74% dos seguidores de Musk responderam “sim”, enquanto 26% disseram “não”.

Depois dessa enquete, o Twitter anunciou que a inclusão do botão editar estava em fase de teste.

  • Twitter pode ser pago para alguns usuários

Outra mudança que pode estar no radar de Musk é a de fazer com que a rede social seja paga para governos e corporações que queiram estar na plataforma.

No começo de maio, ele escreveu em seu perfil: “em última análise, a ruína dos maçons foi prestar seus serviços de entalhadores de pedra a troco de nada. O Twitter sempre será gratuito para usuários casuais, mas talvez com um pequeno custo para usuários comerciais/governamentais.”

Apesar de ter declarado que seu objetivo não é ganhar dinheiro com o Twitter, esse pode ser um caminho que Musk vislumbra para tornar a rede social mais lucrativa.

  • Direct Messages com criptografia de ponta-a-ponta

As Direct Messages (DM) são as mensagens diretas que os usuários podem usar no Twitter para conversar sobre qualquer assunto de modo privado.

Para Musk, “as mensagens diretas do Twitter devem ter uma criptografia de ponta-a-ponta assim como há no Signal para que ninguém possa espionar ou hackear as suas mensagens.”

O Signal é um aplicativo de troca de mensagens que contém um recurso de segurança que protege os dados durante uma conversa.

  • Monetizar tweets que se popularizam

Outra estratégia que visa o lucro seria a de ganhar dinheiro a partir de tweets que tenham informações importantes ou que se tornam populares na rede social.

Não se tem muita informação sobre essa estratégia, mas a ideia de Musk seria a de cobrar uma taxa quando um outro site desejasse usar o link de algum tweet relevante em uma publicação.

  • Pagar para influenciadores produzirem conteúdo

O pagamento para influenciadores digitais produzirem conteúdo para o Twitter pode ser uma estratégia usada por Musk com o objetivo de que o alcance da rede social e o número de usuários cresçam.

Essa é uma estratégia semelhante à usada anteriormente por outras redes sociais, como o TikTok.

A compra do Twitter pelo homem mais rico do mundo já deu muito o que falar. Porém, este novo capítulo da rede social está só no começo. Vamos acompanhar como será a liderança de Musk, quais mudanças, de fato, ele irá implementar, como elas serão recebidas pelos usuário e quais serão as suas consequências.