Carreira

Ter ou não ter um Linkedin Premium?

O que você deve levar em consideração para contratar ou não a versão paga da rede social para sua carreira. Especialista em RH da EBAC responde.

17 de junho, 2022

A relevância do LinkedIn é cada vez mais evidente pelo seu consistente crescimento global. Segundo dados da própria empresa, são 740 milhões de usuários distribuídos em mais de 200 países.

No Brasil, são 43 milhões de usuários que criam conexões, engajam e tornam a rede social cada vez mais influente no ambiente de negócios e mercado de trabalho. No LinkedIn, estão presentes líderes de diversos setores da economia e profissionais de campos de atuação e segmentos diferentes. A rede conta também com a presença de empresas ícones e uma eficiente (e disputada) seção de vagas que reúne candidatos de todo o planeta.

Criar um perfil nessa rede social é gratuito. Mas logo após os primeiros acessos, surge a propaganda do pacote pago.

Pedimos à Patricia Bernardi, coordenadora de RH da EBAC, que nos explicasse o que deve ser levado em consideração nessa escolha.

EBAC - Vale investir na versão paga, o LinkedIn Premium?

Patrícia -Para responder a essa pergunta, antes é necessário entender qual é o objetivo do profissional na rede, seu momento de carreira e interesses pessoais.

Se é um profissional em busca de uma movimentação de carreira, pode estar empregado, mas quer mudar. Ou talvez esteja nessa rede porque está procurando uma recolocação profissional. Nesses casos, o Linkedin Premium pode ajudar, e muito, na busca por uma oportunidade de trabalho.

EBAC - Por que o LinkedIn Premium é vantajoso para esses casos?

Patrícia - Ao contratar um pacote Premium, o usuário terá acesso a ferramentas que poderão, de acordo com o Linkedin, destacar o seu perfil em relação aos demais candidatos durante processos de candidatura a vagas. Assim favorecendo uma possível contratação.

Outra vantagem é que o usuário terá acesso a informações como o número de pessoas que se candidataram à vaga, estatísticas e dados profissionais dos outros candidatos, além de uma comparação entre o seu perfil e o perfil médio deles.

EBAC - E quem usa o LinkedIn apenas como oportunidade de networking?

Patrícia - Se o profissional não busca uma oportunidade de trabalho, mas quer usar a rede para fazer networking, se conectar com pessoas que atuam em áreas de seu interesse, o Linkedin Premium pode potencializar as suas conexões.

Porém, se o profissional está estável no trabalho, pouco usa a rede e não tem interesse em intensificar a sua participação, então a sua conta básica já é suficiente.

EBAC - Então, qual é o diferencial do Linkedin Premium e como usá-lo para potencializar os objetivos?

Patrícia - Na conta gratuita, os usuários só podem conversar por inbox com pessoas que são suas conexões.Com o Linkedin Premium, o usuário pode contactar qualquer perfil por meio de mensagens diretas – mesmo que elas não sejam suas conexões. Enviar mensagens para recrutadores e para pessoas com quem o profissional deseja fazer benchmarking, sem ter que adicioná-las à sua rede, é uma super vantagem.