Institucional

Conhecendo a EBAC: tutores

Nossos tutores acompanham o estudante durante o seu processo de aprendizagem. Confira com a gente como é esse trabalho e como ele faz a diferença no crescimento profissional dos nossos alunos

5 de agosto, 2022

Quando se está aprendendo algo novo, ter acompanhamento de quem já domina e tem experiência no processo faz toda diferença. Afinal, essas pessoas podem indicar se você está no caminho certo e, caso não, como pode chegar lá. Aqui na EBAC, este papel é desempenhado pelos tutores.

Os tutores são os responsáveis por acompanhar o desenvolvimento de todos os estudantes. Eles fazem isso, principalmente, através da correção das atividades que os alunos enviam na plataforma de ensino, mas o trabalho deles vai muito além disso.

Para saber mais sobre como é feito esse trabalho, conversamos com a head de tutores da EBAC, Marcela Moreira.

A responsabilidade do tutor

Contamos hoje com mais de 140 tutores, espalhados pelo Brasil e pelo mundo, que atendem os estudantes de todos os cursos da escola, exceto os que são gratuitos.

O tutor é o responsável por ser o suporte do estudante durante o processo de aprendizado. O seu papel não é apenas dizer se uma atividade está certa ou errada. Ele tem que acolher o estudante e estimulá-lo a buscar outras fontes para complementar o conhecimento que está sendo construído.

O foco do trabalho do tutor é o estudante. Sem respostas prontas, gerais ou robotizadas, cada estudante tem suas atividades corrigidas individualmente e recebe feedbacks personalizados. Dessa forma, o desenvolvimento do estudante é acompanhado de perto.

Exemplo de feedback enviado para estudante de curso da vertical de Marketing da EBAC

“Nós temos alunos que estão em transição de carreira. Alguém que trabalha com design gráfico e quer aprender programação, por exemplo, está fazendo um salto profissional muito grande. Então, é muito valioso ele ter esse acompanhamento para entender se está indo no caminho certo”, diz Marcela.

Seja quem está em transição de carreira, entrando no mercado de trabalho, aprimorando suas habilidades ou aprendendo a mexer numa ferramenta por hobby, os tutores são como um guia para esses estudantes. Eles vão enriquecer tanto o caminho profissional do aluno quanto a experiência dele na EBAC.

Ter experiência no mercado de trabalho é importante para ser tutor na EBAC

Para ser tutor na EBAC é preciso ser um profissional com experiência no mercado de trabalho. No curso Profissão: UX/UI Designer, por exemplo, os tutores são especialistas e ocupam realmente cargos de UX/UI em grandes empresas como Banco Itaú e Landing.Jobs.

Na EBAC, é importante que os tutores tenham essa bagagem profissional porque eles têm que corrigir as atividades dos estudantes na perspectiva do mercado. Isto é, um estudante do curso de Copywriting, por exemplo, vai ter seus textos avaliados como se estivessem atendendo a uma demanda, de fato, de uma agência de publicidade.

Como contratamos os melhores tutores

Marcela conta que as vagas para tutoria são divulgadas em plataformas como o LinkedIn, mas que os professores dos cursos também podem indicar profissionais que eles já conhecem e confiam para serem tutores dos cursos.

Uma questão que também é levada em consideração durante a busca por tutores é a diversidade. Ter pessoas de diferentes origens, culturas, etnias, orientações e gêneros tem sido uma prioridade no setor. Essas características são importantes porque trazem perspectivas de mundo diferentes que podem enriquecer o aprendizado dos alunos e de outros tutores.

Ao entrar na EBAC, eles passam por treinamentos com a área de Recursos Humanos (RH) para que entendam quais são os processos que existem na escola. Depois, eles são apresentados ao setor e à estrutura de feedback com a qual a escola trabalha.

Como as atividades dos estudantes são avaliadas

Marcela Moreira, head de tutores da EBAC

"A gente trabalha com uma monitoria de qualidade. Temos uma estrutura de feedback que os tutores precisam respeitar. É importante que o aluno saiba onde ele errou e o que ele pode melhorar. Se o exercício está bom, ele tem que entender por que está bom. A gente pede para que o tutor faça essa análise, realizada em todas as verticais: de programação até design”, explica Marcela.

Quando os estudantes enviam as atividades para serem corrigidas ao longo do curso, cada uma delas pode ser avaliada por diferentes tutores. 

Apenas quando a nota mínima não é atingida e o aluno tem que refazer a atividade, o mesmo tutor faz novamente a avaliação para acompanhar a evolução.

Quando os estudantes enviam as suas tarefas, os tutores têm um prazo para corrigi-las que varia de acordo com o seu nível de complexidade:

Tarefas fáceis - um dia útil

Tarefas médias - três dias úteis

Tarefas difíceis - cinco dias úteis

Para corrigi-las, eles abrem uma a uma na plataforma e seguem um Criterial Basement Assignment (CBA) - critérios que devem ser avaliados -, que já estão listados em cada atividade. Ao longo da correção, eles vão marcando quais critérios o estudante alcançou no exercício.

Exemplo de um Criterial Basement Assignment (CBA) - critérios que devem ser avaliados pelo tutor em uma atividade.

Os tutores também escrevem o feedback para o estudante. Nos feedbacks, eles falam sobre os aspectos positivos do que foi entregue, apontam o que está incorreto e dão sugestões do que o aluno poderia fazer para melhorar a sua atividade. Além disso, o tutor também vai atribuir uma nota para a atividade que pode ir de 0% a 100%. A nota mínima para a atividade ser considerada aprovada é de 75%.

Nos feedbacks, os tutores também podem enviar para alunos materiais de apoio - vídeos, PDFs e indicação de livros, por exemplo - que os ajudam a dominar ainda mais o assunto que estão aprendendo. Os tutores também dão apoio, estímulo e acolhem os estudantes quando eles estão passando por desafios durante o processo de aprendizagem.

Outras atividades que os tutores desempenham

Além da avaliação de atividades, nossos tutores também desempenham outras atividades, entre elas:

  • Fazem o curso com antecedência

Para que a avaliação do aluno seja feita da melhor forma, na maioria das vezes o tutor tem acesso antecipado ao curso onde ele atua. Ele assiste às aulas, faz os exercícios e pode tirar dúvidas com o seu líder ou com o setor educacional.

Ao fazer isso, na avaliação dos exercícios, ele tem mais noção do raciocínio que o aluno precisou ter, o nível de complexidade exigido e de como pode ajudá-lo a chegar ao resultado esperado.

  • Tiram dúvidas dos estudantes

Além de avaliar atividades, os tutores também podem tirar dúvidas dos estudantes. Na plataforma, há um campo específico para isso, em que os estudantes enviam perguntas sobre o conteúdo da aula que assistiram e não entenderam ou dúvidas a respeito das atividades.

  • Apresentam webinars

Os tutores também participam dos nossos eventos internos como os webinars. Os webinars são seminários on-line sobre temas específicos da área que o tutor atua que são transmitidos ao vivo. Nesses eventos, há interação com a audiência via chat.

Estes são momentos em que os alunos podem tirar dúvidas sobre o conteúdo que está sendo apresentado e é uma forma de terem contato com o tutor sem ser pela plataforma.

  • Fazem plantão de dúvidas

Marcela conta que os tutores vão começar a fazer, de forma fixa, o plantão de dúvidas. “A gente vai ter toda semana uma sala virtual onde o tutor vai receber os alunos para tirar dúvidas”. Essa é mais uma maneira de fazer com que os estudantes se sintam acolhidos e recebam suporte em sua jornada de aprendizado.

Além do plantão de dúvidas, há planos para que sejam realizadas mentorias com os estudantes. Nesse caso, os tutores vão ter encontros virtuais para auxiliar e orientar ainda mais de perto o crescimento profissional do estudante.

  • Levam novidades da área para o curso

Por serem profissionais que estão no mercado de trabalho, os tutores também levam novidades da área em que atuam para o dia a dia do curso. Por conta disso, o atendimento ao aluno e o material de apoio que eles indicam estão alinhados com o que está em alta no mercado.

  • Fazem treinamentos e palestras

Como forma de aproveitar o conhecimento dos tutores, Marcela conta que foi criada uma programação de treinamentos e palestras para que o conhecimento de cada um seja compartilhado com os demais da equipe.

“A gente vai aproveitar os talentos de dentro da tutoria para dividir conhecimento. A primeira palestra será com as tutoras do curso de Customer Experience. Às vezes, lidamos com pessoas que podem escrever de forma um pouco rude e queremos entender o que há por trás da mensagem: alguém que está frustrado? Que não está entendendo o conteúdo? É importante debater e saber como podemos ajudá-las, porque o sucesso do aluno é o sucesso do nosso negócio”, explica Marcela.

  • Sugerem melhorias para o setor

O setor de tutoria procura estar sempre alinhado. Para isso, reuniões periódicas são feitas para que os tutores deem suas opiniões sobre os processos da área e levantem questões e soluções.

“A gente tem uma comunidade que está ficando mais forte e mais próxima. Por meio de canais no Discord, todos podem falar e, por isso, temos um diálogo muito bom. Dividimos problemas e, juntos, pensamos em soluções que sejam boas para todos os envolvidos”, explica Marcela.

Muitos processos que foram criados dentro da tutoria foram desenvolvidos em conjunto. Um exemplo é o da divisão de complexidade de tarefas. “Os tutores trouxeram esse ponto de que nem todas as tarefas são iguais e que seria interessante dividi-las por complexidade. Nós escutamos e fizemos. Então, dividimos as tarefas de todos os cursos em fáceis, médias e difíceis, e demos diferentes prazos para elas serem corrigidas”, pontua Marcela.

De forma geral, as atividades que os tutores desempenham têm um só foco: o estudante. Por isso, o departamento é gerenciado para que todos sejam ouvidos, fiquem unidos e alinhados. Assim, os tutores podem guiar e acolher o estudante de forma cada vez melhor, tornando a sua experiência na escola positiva.